Do papel para o tempo

Era 1982 e o pequeno grupo de calouros da Escola de Comunicação e Artes recebeu a incumbência de produzir um cartaz com impressão a quente. Maravilhado, eu olhava aquelas velhas máquinas, que já pareciam saídas de um museu, mas representavam a imprensa – com seu velho charme e sua história, transformadora do mundo. Havia lá uma veneranda linotipo, que miraculosamente funcionava, e algumas chapas desfalcadas de muitas letras, aquelas peças de chumbo que se monta uma a uma como grandes carimbos. Para minha surpresa, há pouco tempo, vi uma outra linotipo restaurada como nova, assim como outras máquinas antigas perfeitamente funcionais, na charmosa e miraculosa oficina de impressão do Marco Cançado, nas Perdizes. Há ainda uma certa aura nas coisas feitas à maneira antiga. Marco fez para mim alguns cartões de visita, e eles me lembram o tempo em que tudo dava mais trabalho, mas saía de um jeito incomparável, porque com um trabalho e um cuidado que dava o valor do artesão a tudo o que se fazia. Um simples cartaz era uma forma de arte: um valor cada vez maior nestes tempos de imediatismo virtual, em que tudo tem de surgir num piscar de olhos, ou ao clique de um botão. Essas máquinas me lembram que o tempo nos dá rugas, cria calos, produz lembranças. E essa história que a gente carrega, com o jeito de fazer, o dedo sujo de tinta, a nossa impressão, que de nós vai ao papel e do papel sai para o tempo, é que faz tudo valer a pena.

Thales Guaracy
Writer

As melhores impressões são as que ficam

Trabalhamos em um meio competitivo, isso em todas as áreas. A forma como nos comportamos e nos apresentamos é fundamental para causar uma primeira boa impressão.

E é exatamente por esse motivo que escolhemos a Platen Press Print Shop. Com um atendimento extremamente atencioso, tivemos a certeza desde nossa primeira reunião em seu estúdio que essa boa impressão continuaria. Aliás, tivemos uma excelente impressão.

Edson Silvestre e Paulo Amorim
Advogados Associados

O Agridoce Agrestino

A autopublicação de Marcelo Oséas, com tiragem de 110 exemplares, é um retrato da nossa pluralidade e identidade. É o inverso de ideias pré-concebidas sobre isso ou aquilo e nos afasta de concepções materializadas sobre um povo já calcado por referências tardias.

Com sensibilidade, a obra nos envolve através de imagens que explicitam o orgulho de uma nação que supera as adversidades e dessabores da vida no agreste. Tudo isso com trabalho árduo e a sabedoria de quem sabe que, para colher a flor da caatinga, precisa se desviar dos espinhos.

O Agridoce Agrestino é uma poesia de imagens. É uma poesia brasileira.

Paixão por superfícies

“Quando entregamos um arquivo para um cliente, por ser um arquivo digital, nem sempre o trabalho manual por traz daquele monte de pixels é percebido, e para mim é importante que o cliente perceba a existência do ato de fazer por traz do desenho.

Sou designer de superfície, e o motivo pelo qual eu escolhi fazer a impressão dos meus cabides com a Platen Press, é exatamente pela minha paixão por superfícies. A marca deixada no papel pela prensa, é tão linda quanto e impressão feita em tinta, e agrega uma riqueza enorme à arte gráfica.”

Juliana Pelegrinello – Designer de Superfície
www.julianapelegrinello.com.br

De volta para o futuro

De tempos em tempos ouvimos que o moderno é o antigo e que contemporâneo é ser vintage.

Como deixar de reconhecer que isso só é possível através de profissionais que dedicam uma vida para manter vivo o que nós simplesmente negligenciamos. O tempo passa, mas o que é bom tem vida eterna. E eterna é minha gratidão por um desses personagens que engrandecem nossa história e cultura.

De alguma forma, essas sementes ganharão a eternidade além do nosso tempo.